quarta-feira, 20 de maio de 2009

Alma de Peixe - Teatro para Bebês




No dia 16 de maio, o Celeiro das Antas estreou Alma de Peixe, sua primeira obra dirigida exclusivamente para bebês. Uma obra teatral estruturada a partir de pequenos jogos teatrais, optamos por chamar de jogos no lugar de cena por ser situações abertas definidas por pontos fixos e que podem ir se modificando, ganhando novos rumos a partir das apresentações, como o que acontece com os jogos de Palhaços. Os pequenos jogos narrativos foram elaborados a partir do conto homônimo escrito pela atriz Cirila Targhetta e com base na pesquisa feita pela equipe de criação do espetáculo em creches da cidade em especial na creche Cibipiruna.

Seguindo os moldes da companhia La Casa Incierta, companhia espanhola referência na arte para bebês (www.lacasaincierta.com). Primeiro trabalhamos com a observação do comportamento das crianças, descobrindo com elas as construções de metáforas, aprendendo com elas uma forma livre de ver o mundo a nossa volta, ainda com elas experimentamos algumas formas de narrativas. Realizamos ensaios abertos em creches e escolas. A cada volta a sala de ensaios, voltávamos carregados de muitas dúvidas e alguns acertos, que se reconstruíam quando nos colocava novamente sobre o olhar curioso das crianças.

Fomos reaprendendo a ver o mundo a nossa volta desprovidos de conceitos, reaprendendo a ver a poesia existente nas pequenas ações da natureza.

A nossa grande aventura, além de fazer essa narrativa para bebês, foi trabalhar com o humor. O espetáculo é composto de situações onde a palavra é suprimida ou substituída por anomatopéias, usando de recursos da comédia física e manipulação de objetos. Construídas a partir de gestos e ações típicas das crianças entre 06 meses a 5 anos de idade.

Alma de Peixe traz a cena as descobertas de uma menina que se depara com o olhar do outro, descobrindo as possibilidades em lidar com caixas de papelão, quando revira um velho baú ela se depara com uma cópia dela mesma com a qual ela disputa seu espaço e seus objetos, conhecendo os prazeres e desencontros de uma relação com o outro, se vendo sob o olhar de um peixe ela descobre um outro universo de possibilidades e sonhos. Na sua aventura ela se reconhece em diferentes emoções passando da alegria de compartilhar descobertas e sorrir juntos à perda e a solidão.

Em Alma de Peixe cuidamos para não criar uma obra de conteúdo didático, por acreditarmos que a função da arte é reinventar novos olhares e possibilidades de descobertas, um espaço para exercemos nossas dúvidas e compartilharmos nossas incertezas. Desconstruir ações que nos levam a respostas preestabelecidas. O teatro é o espaço mais apropriado para vivenciarmos as mais distintas emoções.


Ficha Técnica:
Texto: Inspirado no texto "Alma de Peixe" de Cirila Targhetta
Concepção e Direção: José Regino
Em cena: Cirila Targhetta e Tatiana Bittar
Trilha Sonora: Fernando Castro
Iluminação e Cenografia: José Regino
Figurinos: José Regino
Operação luz e som: Fernando Castro
Produção: Celeiro das Antas
Fotos: Maíra Zannon





Um comentário:

Anônimo disse...

Falta algo inovador aos bebês cariocas. estão de parabéns, os vejo em breve.
Mamãe Bong